Programação voltada para estudantes dos municípios de Vera Cruz e Itaparica conta com palestras, limpeza submarina, mostras e apresentações culturais

Teve início nesta terça-feira (04), na Escola Municipal Aureliano de Azevedo Monteiro, em Aratuba, município de Vera Cruz, a programação da Semana do Meio Ambiente 2024 do Projeto Mares – iniciativa realizada pela ONG Socioambientalista PRÓ-MAR, com apoio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental. As atividades seguem até o dia 8 de junho, quando a equipe de mergulhadores do projeto e voluntários especializados em mergulho realizam na praia de Conceição, também pertencente ao município de Vera Cruz, uma ação de limpeza submarina, com objetivo de retirar do mar resíduos que contribuem para degradação do ecossistema marinho, a exemplo de plásticos e objetos que podem levar à morte animais como peixes, tartarugas, cetáceos, corais, entre outras espécies da fauna e flora marinha.

A programação segue nesta quarta-feira (05), às 10h, na sede da ONG PRÓ-MAR, em Mar Grande, com o lançamento do Calendário do Defeso, realizado pela Secretaria de Meio Ambiente do Governo do Estado da Bahia. No mesmo dia e local, a equipe de Educação Ambiental do Projeto recebe os estudantes dos anos iniciais das escolas da Misericórdia e Ciranda da Letras, para participarem da Trilha de aprendizagem com show de danças, palestras, atividades lúdicas, limpeza de praia e atividades de sensibilização que compõem as atividades do Centro de Interpretação Ambiental (CIA).

No dia 06 (quinta-feira), o biólogo e coordenador científico do Projeto Mares, Lucas Lolis, participa de uma Roda de conversa sobre a restauração de corais com os estudantes do Ensino Médio e Técnico do Centro Profissionalizante do Oceano, em Aratuba. No dia 07, sexta-feira, o Projeto Mares aporta no Complexo Cultural Aristóteles Gomes, em Mar Grande onde, em parceria com a Embasa e o Projeto Mar à Vista, realiza uma Mostra Ambiental com exposição de maquetes interativas, rodas de conversas, distribuição de brindes, oficinas de compostagem e de produção de sabão a partir da reutilização do azeite de dendê, exposição de desenhos com temática ambiental e entrega de cartilhas educativas. A ação é voltada para estudantes das escolas públicas e privadas de Vera Cruz e Itaparica.

O coordenador de Educação Ambiental do Projeto Mares, professor Geraldo Fonseca, destaca que a programação da Semana do Meio Ambiente é um marco que reforça o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Projeto ao longo dos últimos 15 meses. “Temos em nossa rotina uma série de ações que vêm sendo desenvolvidas com vista na formação e educação cidadã de crianças e jovens da nossa comunidade, para através delas levarmos para toda a sociedade a importância de agirmos em prol da sustentabilidade e da conservação dos recursos naturais, principalmente aqueles que são a base do sustento de muitas famílias que vivem em nosso território. Por isso, torna-se mais que importante aproveitar este momento de notoriedade da data para ampliarmos ainda mais a nossa fala e os nossos públicos”, avalia o professor Geraldo Fonseca.

“Nossa terra. Nosso futuro. Nós somos a #GeraçãoRestauração”
A programação especial tem por objetivo celebrar o Dia Mundial do Meio Ambiente, que é comemorado anualmente no dia 5 de junho. A data, estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU), reúne milhões de pessoas em todo o mundo e, este ano, tem como tema a restauração da terra, a desertificação e a resiliência à seca sob o slogan “Nossa terra. Nosso futuro. Nós somos a #GeraçãoRestauração”.

Neste sentido, o Projeto Mares, ação desenvolvida desde janeiro de 2023 com a proposta principal de implementar ao longo de 24 meses, ações com vistas à ciência cidadã e educação ambiental voltadas à conservação do ambiente marinho em comunidades da Ilha de Itaparica, vem, desde então, realizando uma série de ações junto aos educadores e estudantes das escolas públicas e privadas dos dois municípios que compõem o território da ilha. Dentre elas a formação de professores do ensino infantil e fundamental I, implantação do Centro de Interpretação Ambiental, realização de palestras, rodas de conversa com pescadores, marisqueiras, empresários e autoridades políticas dos dois municípios, limpeza das áreas costeiras e submarinas. Além disso, o Projeto visa a restauração e monitoramento de uma área de 1,5 km² na Área de Proteção Ambiental (APA) das Pinaúnas, em Mar Grande.

Para isso, já promoveu a implantação no ambiente marinho de mais de mil e trezentas novas colônias da espécie nativa ‘Coral de Fogo” (Millepora alcicornis). Essas colônias se desenvolvem quando pequenos fragmentos deste coral são fixados em sementeiras compostas por cimento e carbonato de cálcio (esqueleto de espécies exóticas retiradas durante o monitoramento da área), que servem de substrato para o desenvolvimento do coral nativo.

De acordo com Lucas Lolis, o trabalho realizado tem registrado um baixo índice de mortalidade dos fragmentos instalados, resultando no crescimento de cerca de 70% dos corais de espécie nativa. “Podemos afirmar que estes são resultados bastantes positivos do ponto de vista ambiental, que mostra que os trabalhos que estamos desenvolvendo aqui na Baía de Todos os Santos, bem como as trocas que temos realizado com outras instituições de pesquisa que trabalham com a restauração do ecossistema recifal poderão em muito contribuir para a redução dos danos provocados pelo aquecimento global, em especial aos corais, e todo o ecossistema que existe em torno desta importante espécie e à saúde dos mares e oceanos”, afirma Lolis.

 

Por Líliam Cunha Assessoria de Imprensa
Andressa Amorim – Analista de Comunicação

Sobre o autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.